Pular para o conteúdo principal

Você está aqui

Depoimentos Centro Cultural Paschoal Carlos Magno

 

Centro Cultural Paschoal Carlos Magno - 04/12/11
 
Caio Sérgio
A experiência retratada vai além que podemos ver que só conseguimos enxergar com o tato. Essa experiência é por mostrar que não usamos. Essa experiência vai além do que podemos ver mais não é importante apenas ver mais também sentir. Por que mesmo que você não vê não que dizer que sua vida parou. Continue vivendo continue sentindo.
 
Christian Renan Fernandes
Foi uma experiência muito boa, para vermos um pouco como eles agem em seu dia-a-dia, sendo capazes de realizar qualquer tarefa que lhe é dada. Parabéns pelo trabalho, que vocês tenham muito sucesso.
 
Erica de O. Rodrigues
Foi muito boa à experiência e acho que todos deviam passar por isso, para se der conta da dificuldade dos deficientes visuais. São guerreiros valentes que merecem muitos parabéns pela garra e vontade de viver. Parabéns!
 
Anônimo
Experiência nunca vivida antes. Precisamos confiar nas pessoas e da ajuda delas. Onde pude descobrir e sentir somente outros sentidos como tato e paladar. Vou praticar mais vezes em casa.
 
Alexandra Mathias
Experiência maravilhosa! Incrível como universo se amplia em sons e formas quando somos privados de dos nossos sentidos; da visão. Parabéns! Senti-me muito bem e confiante com o cuidado da equipe que recebe. Obrigada!
 
Zenaide
Tive a sensação de limitação, me senti dependente para ser guiada, talvez por não souber onde eu estava. Só ouvir as pessoas falando ao meu lado e me senti como se estivesse sozinha, pois eu não sabia se estavam ali comigo ou se estávamos juntas, como numa festa onde você está próximo de alguém a gente acaba conversando. Ali eu achei como se não fizesse parte. Senti também o medo de tropeçar. Foi uma experiência inesquecível.
 
 
José Alberto
Sensacional, é preciso aprender a enxergar não com a razão do padrão, mas sim com a percepção da emoção. É ótimo e, ao mesmo tempo, um pouco amedrontador, pois para simples atos é necessário entender o que a emoção da voz do outro está trazendo, por trás de suas palavras. Obrigado pela oportunidade!
 
Jerônimo 
É um fato muito importante, ver que as pessoas que têm a sua visão e não se importa que elas lhe sejam muito úteis e saber que por alguns minutos você ficar sem elas faz tanta falta. Imagine alguém que nasceu sem ela, ter que viver a vida dependendo de alguém para conduzi-lo. Mas Senhor Jesus ele é nossa luz em todo o tempo. Para aquele que vê e não enxerga e para aquele que não vê e consegue enxergar.
 
Anônimo
Parabéns pelo trabalho. O universo sem a visão me trouxe insegurança me incomodaram as mãos me tocando sem minha permissão.
 
Anônimo
Bom dia, adorei a experiência. Com os olhos vendados os cheiros das verduras ficaram fortes e aguçados o meu olfato. Fiquei com a vontade de cozinhar de olhos vendados. Acho que esta experiência todos deveria realizar.
 
Anônimo
Para mim foi uma experiência muito boa me comportar, algo que foi por poucos minutos, como deficiente visual. Espero que Deus não permita que tenha esta experiência na realidade já que acho muito difícil depender de outras pessoas para sair adiante. Os trabalhos dos deficientes são fabulosos. Tenho um afilhado que ficou aos poucos cego do olho bom já que nasceu cego de um. Isto aconteceu a partir dos 30 anos e o mais difícil para ele foi não poder nunca mais dirigir carro. Atualmente com 45 anos é totalmente cego e trabalha como fisioterapeuta.
 
Anônimo
Vendo aqui podemos observar uma pequena, mas sensível e porque não difícil amostra de como é a vida de um deficiente visual. Não nos damos conta do mundo com as possibilidades! Fiquei bem, lutemos juntos e com respeito.
Anônimo
Nunca participei de algo tão incrível. Já fiz algumas oficinas de olhos vendados, mas sempre sentada. Em pé foi mais intenso e forte. Não dá para nos imaginar sem visão ceio pode ser o órgão mais importante para mim. Parabéns.
 
Adelina Augusta
Parabéns, muito interessante poder vivenciar um mundo diferente de sensações! Muito gostoso para nós que tivemos a oportunidade de vivenciaro diferente, é muito importante para valorizarmos ainda mais dificuldade e beleza desse mundo. Ver através das mãos foi incrível.
 
Jussara Leite
Achei a experiência muito interessante, tive a oportunidade de me colocar realmente no lugar do outro. No caso do deficiente visual, mesmo aqui já de olhos abertos alertas e sem a venda continuo me sentindo cega! É uma experiência real em todos os sentidos. Sei que muitas vezes precisamos, devemo-nos colocar no lugar do outro Isso é fundamental para nossa própria vida. Essa experiência que fiz agora me foi possível. Levarei isso comigo. Agradeço muito.
 
Ricardo
É uma experiência incrível. Como pode saber sem ver? Assim a gente começa a perceber. Parabéns e obrigado por me deixar sentir o que senti.
 
Gabriel
A curiosidade impulsiona, contudo, a sensação de insegurança nos faz sentir medo a cada passo. É preciso utilizar de serviços desconhecidos para conseguir ir adiante, além de precisar da confiança no outro.
 
Lucy de Araújo Mathias Netto
Antes, eu “julgava”, ficar cego: Senti que não... Com a experiência do café no escuro. Vou ter que reformular repousar um dos meus maiores medos! Parabéns a todos os envolvidos! Obs.: A única coisa, eu o único elemento que não perceptível foi à luz, as cores, nada mais...
 
Vicente Galvan
Experiência única e muito informativa. Já havia falar dela, porém nunca havia participado de uma, e eu achei muito interessante pela diversidade de objetos que passam despercebidas por nós inúmeras vezes e que provavelmente pera um deficiente visual seria mais difícil identifica-los. Porém ao concentrar-me na identificação percebi que é possível identificação usamos apenas o tato, porém com ele mais “aguçados”. Parabéns!
 
Theo Vilhena
E eis que no breu
A luz se faz
No tato o próprio ato
E o sentido que se compraz.
 
Cristina
Gostei muito da experiência do café no escuro. Fiquei um pouco atormentada por não ver onde eu estava indo, não tirei dificuldade de identificar os objetos e sabores. No entanto me deixou muito frustrada o fato de não de não estar vendo as pessoas que estarão a minha volta, tive vontade de tocá-las se fosse cega realmente acho que o mais complicado seria não ver as outras pessoas.
 
Fábio Cecchetti
Professor da Fundação Municipal de Educação
Ver é mais que enxergar, realmente. Como precisamos garantir acesso... Falta muito ainda. Iniciativas, exposições, experiências como essa precisam se multiplicadas e mais frequentes. Parabéns e vamos firmes na luta!
 
Bernadete
Foi surpreendente viver por alguns segundos a sensação de ser deficiente visual. Uma experiência para a vida toda, difícil, mas consegui identificar alguns objetos. Pelo olfato consegui, mas pelo tato foi complicado. Parabenizo-os pela iniciativa de nos fazer sentir na pela por alguns minutos o que os deficientes convivem a vida toda. Sensibilidade a flor da pele em todos os sentidos. Muito obrigado pela oportunidade única.
 
Ana
Ao participar da experiência de sentir com venda nos olhos, o que é o mundo daqueles que não tem visão, percebemos o quanto é difícil para nós essa sensação. E então percebemos quanta lição de otimismo, eles nos passam, quanto por tão pouco reclamas de coisas banais. Parabéns, aqueles que tomaram esta iniciativa, para nos fazer entender melhor o mundo daqueles que enxergam de outra maneira.
 
Mauro
Incrível a sensação de descobrir o quanto somos capazes de exercer a nossa grande capacidade de percepção ao tato. Bastando chegar sem qualquer medo ou preconceito, percebemos a quanto a nossa sensibilidade ao tato de aguça e então passamos a ter a exata noção da vida e das dificuldades enfrentadas pelos deficientes visuais.
 
Anônimo
Uma experiência importante e única para nos colocar no lugar dos deficientes visuais, e mostrar como é vivenciar o mundo no escuro. Uma experiência para levar para sempre.
 
Anônimo
Adorei a experiência de conhecer um pouco do mundo explorando mais os outros sentidos além da visão, e ter a oportunidade de sentir um pouco da realidade dos deficientes visuais, que nós sabemos que é difícil, mas nunca dá para saber o quanto. Fora isso, foi uma ótima oportunidade de conhecer melhor e explorar as múltiplas sensações do tato.
 
Ana Cláudia
Professora de Artes
A experiência mostrou-se interessante. Inicialmente senti-me segura apesar de estar com os olhos vendados. A bengala me ofereceu o suporte necessário. Segui com a vivência sem medo. Ao terminar a 1ª parte a bengala desapareceu e ao caminhar me senti fragilizada e receosa de cair ou esbarrar em algo e assim me machucar, mesmo sendo guiada por alguém esse sentimento persistiu. Ao chegar na 2ª mesa onde procurei descobrir o que me era apresentado a sensação agradável retornou. Quando tirei o tampão do rosto a minha visão ficou desfocada e precisei esperar alguns momentos para ela voltar ao normal. Enfim, ao perceber o universo do outro passamos a aprender e compreender mais das limitações do ser humano e adquirir um olhar sem preconceitos. Muita paz!
 
Anônimo
É uma experiência sensacional muito rica, com várias formas, tamanhos e sentidos com a degustação de um delicioso café “quente” e o outro, desejo “gelado”, muito bom estes sentidos sendo explorado ao máximo. Parabéns!
 
Anônimo
Que experiência! Um espaço mínimo parece extremamente longo e difícil. Falta confiança para vencê-lo. Dá medo e tropeçar, de cair em buraco. É fantástico! E as pessoas que auxiliam são maravilhosas! Adorei a experiência. Parabéns para todos.
 
 
Lúcia Vieira
É uma experiência fantástica, todos deveriam fazer, pois não conseguimos ter a dimensão do que é não enxergar. Acho que com isso teríamos uma sociedade mais solidária e uma via pública mais livre e de fácil acesso aos cidadãos com qualquer tipo de limitação. Sugiro que fosse implantada nos colégios essa experiência - para termos (formarmos) cidadãos mais conscientes e solidários. Parabéns pela iniciativa.
 
 
Neuza Sena
Meu depoimento foi muito bom uma boa experiência como cuidadora a cada dia se possível eu aprendo muito e confesso que hoje foi mais uma experiência, pois tenho um irmão deficiente de uma das vistas e com glaucoma e foi uma aula experimental e educativa. Agradeço a oportunidade.
 
Anônimo
Parabéns pela iniciativa, pelo trabalho e pela linda exposição. Gostei muito da oportunidade de ser guiada pelos deficientes visuais e também de experimentar novas sensações de coisas tão corriqueiras e conhecidas de nosso cotidiano. Acredito que estas oportunidades de “ver” o mundo com novos olhos, terem novas sensações são importantes para desenvolvermos novas sensibilidades e questionamentos pessoais.
 
Anônimo
Valeu a experiência pela sensação do uso do tato do paladar, como os cegos se sentem. É uma visão interior que acabamos incorporando no nosso dia a dia. De início dá um certo pavor por uma coisa totalmente fora do nosso viver. Valeu muito, todos deveriam passar por essas sensações.
 
 
Helena
Diferente! Estar sem a visão não é bom nem ruim! Você consegue desenvolver melhor o tato, olfato e audição. Apesar de inicialmente me sentir igual a uma criança, depois ganhei um pouco de segurança no escuro. Muito legal a experiência! Todos deveriam passar por ela para entender mais como a vida funciona sem visão.
 
Jan Peter
Espetacular o modo como à organização fez a sensação de não ver para os que veem! Como os cegos conseguem saber tudo o que sentem!
 
Patrícia
Maravilhoso o projeto. Simulando o “eu” dos cegos. Parabéns às pessoas especiais que trabalham com tanto amor.
 
Ângela
É um mundo nosso também, e que vejamos menos, mas na interação podemos saborear os nossos outros sentidos. Compartilhar é muito bom, só assim verdadeiramente experimentar a completude. Obrigado por esse momento agradável que passei com todos. Gratidão, beijos.
 
Anônimo
A experiência com os deficientes visuais foi interessante por que pude perceber as maiores dificuldades que essas pessoas encontram nas atividades cotidianas. Minha maior dificuldade na mesa do despertar foi em identificar formas que eu não conhecia, como a obra de arte com chifres. Isso me fez refletir que a minha dificuldade no caminhar e lanchar na verdade foram menores do que a de um deficiente que nunca viu. Só mesmo com a prática que eles devem ganhar autonomia. Parabéns pelo projeto!
 
Anônimo
Obrigada pela experiência, foi alguma coisa bem diferente de tudo que já experimentei. Mudam totalmente as dimensões. O espaço, a forma, a textura, o sabor, enfim tudo é mais perigoso. Fiquei meio ansioso e o coração disparou um pouco, mas o toque das pessoas acalmaria e direciona. Uma experiência única e maravilhosa.
 
Sônia Franco
Parabéns pelo trabalho. Eu já havia tido a experiência de ficar sem enxergar por um curto período de tempo. Porém percebo desse trabalho não uma forma traumática e sim muito amorosa desta realidade tão carente de parceria e respeito. Deus abençoe!
 
Waely
Que experiência tremenda! Não somos nada sozinhos. Mas nossos olhos apesar de ser a expressão da alma, não são indispensáveis se tivermos uma mão amiga, um coração grande e um amor divino para compartilharmos. Parabéns a Keiko e aos artistas pela a iniciativa tão linda.
 
Ellen
É difícil colocar palavras aonde nós vamos, quando não podemos enxergar. Sou um ser único e complexo. Uma pequena experiência, tão simples, nos torna grata a Deus. Deus despertou em mim o quanto é necessário estarmos rodeados de corações especiais, pois ao não poder enxergar, preciso muito mais confiar. Parabéns pelo lindo trabalho!
 
Adriana
Foi uma experiência muito interessante. Realmente não vemos, mas com a mente. E a mente pode se utilizar dos olhos de tato para identificar as imagens e decodifica-las. É uma oportunidade de experimentar o desconhecido, com entrega e confiança. Muito importante. Na verdade, porque enxergamos, achamos que podemos nos conduzir e nos guiar autonomamente na vida. Pelo lado material sim. Mas pelo espiritual, a regar caminhamos no escuro, só enxergando o passo que a nossa perna é capaz de dar, necessitando da confiança e da entrega sempre àquele que nos conduz. Nenhuma se governa, é o poder maior que nos leia.
 
Igor Mayama (Filho de Keiko)
Experiência maravilhosa. Precisamos valorizar mais audição, olfato e tato.
 
Helena B. Varella
Um ótimo exercício para valorizar os nossos sentidos além da visão.
 
Nádir Regina A. Bittencourt
Participei do café no escuro, foi uma experiência singular, muito difícil, somos bem egoístas, quando falamos que a nossa vida é difícil, precisamos ter novas vivências e experiências como essa, para valorizamos mais nossa vida e mais importante é muito bacana a trabalho de todos que estão junto dessas pessoas, ensinando e vivendo o dia a dia com eles. Parabéns a todos que estão fazendo este trabalho, estou muito emocionada. Faltando-me até palavras. Feliz Natal e um Ano Novo, com muito carinho, paz e amor.
 
 
Valkira
Depoimento a respeito da Exposição: Expressar os sentimentos inexplicáveis que vem a nossa mente, digo, a minha mente após observar determinadas curvas. As esculturas executadas deficientes visuais. O clima de descontração que ruina entre nós... Observar com os olhos fechados... Objetos, sabores que nos vem a mente... O tato quando identificamos os objetos com os olhos fechados. É um trabalho lindo que põe a prova o nosso desejo de servir, aqueles que dão diferentes. Bravo!
 
Valéria Souza
Perfeitamente claro e especial o Café no escuro. Fio de luz para nossa cegueira diária diante do desconhecido. Entre contornos, relevos e profundidades o tato nos conduz as cores de nossas memórias visuais, olfativas e emocionais. Bebi a calma do cheiro do maracujá. Comi o cheiro de janela de minha avó. Vesti o feio das luvas de Itatiaia. Ouvi entre chocalhos as risadas de minha filha quando era bebê. Acariciei pelos plásticos e metais. Suspirei feliz por estar viva para todas as sensações. Por estra aberta. Por estar viva para este momento. Parabéns pela sensibilidade! Parabéns por nos fazer nascer de nossas trevas da ignorância que é cega. Em grande beijo aos idealizadores e toda equipe que me recebeu carinhosamente.
 
Jane Duarte
Como representante do grupo de oração “Célula do Amor” gostaria de registrar que a experiência com o Café no Escuro foi muito emocionante. Consegui chegar perto e enxergar por dentro de mim e avaliar o que sente a pessoa deficiente. E que também os olhos da alma são os mais importantes. Parabéns pelo evento.
 
 
Premium Drupal Themes by Adaptivethemes